Frida Kahlo

Ontem, foi o dia da Mulher, coisa que não passou de todo despercebida, por todo o lado ofereciam gerberas às mulheres que passavam, ora aí está uma surpresa agradável, passear e alguém desconhecido oferecer flores (não era Impulse). Deveriam oferecer flores todos os dias às mulheres, isso é que era. Estava a pensar o que deveria escrever a propósito do dia de ontem, que mulheres marcaram pela diferença, pela força, pela determinação e coragem, e entre tantas, lembrei-me da personagem enigmática, e figura de culto, a mítica Frida Khalo, pintora mexicana.

NICKOLAS MURAY, Frida on White Bench, New York, 1939

Frida, de seu nome completo, Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón (1907/1954), nunca intendeu o interesse que o público poderia ter na sua obra, e daí que nunca pintou a pensar no público. Nasceu na lendária Casal Azul (hoje Museu Frida Kahlo). Aos 47 anos quando faleceu, tornou-se uma verdadeira lenda. Aos seis anos foi-lhe diagnosticada poliomielite. Aos onze, sofreu um acidente de autocarro, do qual resultaram 11 fracturas que atingiram a coluna, pescoço, pélvis e perna direita, e uma vara de ferro trespassou-lhe o útero comprometendo seriamente a capacidade reprodutiva, pelo que os constantes problemas de coluna, obrigaram-na a estar acamada durante longos períodos. Durante esse periodo fez inúmeros auto-retratos, com influências do surrealismo, simbolismo, e realismo, expressando a sua dor, retratos de uma extrema brutalidade e simbologia, em que retratava as relações extra-conjugais do marido, os abortos espontâneos que sofreu, e as inúmeras operações à coluna. Frida dizia "Pinto-me porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o tema que conheço melhor".

Biografia de Frida Kahlo, por Hayden Herrera.

Com 16 anos apenas conheceu o seu marido, Diego Rivera, mas só se casariam alguns anos mais tarde, sendo que Diego era 20 anos mails velho que Frida, e ambos mantinham relações extra-conjugais. Separaram-se, mas voltar a casar. Em 1954 Frida morreu, vítima de embolia pulmonar.

4 comentários:

Carla disse...

Amo Frida Kahlo. A dor que trespassa a sua obra é afinal a de todos. O filme Frida é brilhante.

Strawie disse...

Viste o filme clara?
É simplesmente maravilhoso! Mas confesso que houve partes em que quase dava para sentir na pele o sofrimento...Muito bom!
BJ

Strawie disse...

E com tudo isto do filme, esqueci-me (embora atrasada), de te dar os parabéns... por seres mulher.. já agora, parabéns a mim tb... bolas! Gerberas?? Bem bom, eu recebi uma estrelícia ^^

Clara Branco disse...

oooh,com muita pena, não vi o filme, grande falta a minha! E com tantas opiniões favoráveis, vou já tratar disso! Frida, pela vida e obra é uma das minhas pintoras de eleição e como mulher também, uma verdadeira lutadora. Vi sim, vários documentários de partir o coração...:-S

Quanto às gerberas, eram por todo o lado, só num sítio deram-me três...parabéns também -a todas as mulheres- (atrasados)! :-)****